Almaria

Edifício da CorteEdifício da Corte Edifício da CorteEdifício da Corte

Reserve Online
Scroll

D. Maria I

(1734 - 1816)

O seu primeiro ato como rainha, foi a demissão e exílio da corte do marquês de Pombal, a quem nunca conseguiu perdoar a forma brutal como tratou a família Távora durante o Processo dos Távora.

Rainha, dedicada a obras sociais, concedeu asilo a numerosos aristocratas franceses que vinham fugidos do terror da Revolução Francesa (1789-1799).

Rainha melancólica e extremamente católica, de natureza tão sensível que quando vários homens entraram numa igreja com intenção de roubar os bens preciosos e espalharam hóstias pelo chão, decretou nove dias de luto, adiou os negócios públicos e acompanhou a pé, com uma vela, a procissão de penitência que percorreu Lisboa.

O seu reinado foi de grande atividade legislativa, comercial e diplomática, na qual se pode destacar o tratado de comércio que assinou com a Rússia em 1789.

Desenvolveu a cultura e as ciências,

No âmbito da assistência social, fundou a Casa Pia de Lisboa.

Incapacitada, Maria viveu no Brasil por oito anos, sempre em estado infeliz.

Morre no Convento do Carmo, na cidade do Rio de Janeiro, a 20 de março de 1816, aos 81 anos de idade. Após as cerimônias fúnebres, seu corpo foi sepultado no Convento da Ajuda, também no Rio de Janeiro.

Com a sua morte, o Príncipe Regente João foi aclamado Rei de Portugal e do Brasil.

Em 1821, após o regresso da Família Real a Portugal, seus restos mortais foram transladados para Lisboa e sepultados num sepulcro na Basílica da Estrela, igreja que a própria rainha mandou construir.

scroll
os nossos edificios

Este site usa cookies para melhorar sua experiência de navegação e fornecer o melhor serviço possível. Continuando a navegar no site, aceita o seu uso.

Ver mais
Ok